EconomiaMinas

Distrito Industrial de Betim inicia processo de modernização

Representantes da Codemig e da Fiemg apresentaram etapas do Programa de Revitalização e Modernização do distrito industrial aos empresários.

Agência Minas

Representantes da Codemig e da Fiemg apresentaram etapas do Programa de Revitalização e Modernização dos distritos industriais mineiros aos empresários

Representantes da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) e da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) estiveram com empresários de Betim para discutir o projeto de revitalização do distrito industrial Paulo Camilo. O encontro foi a primeira etapa, no município, do Programa de Revitalização e Modernização dos Distritos Industriais de Minas Gerais, que irá investir, até o fim do ano, R$ 30 milhões em infraestrutura e no apoio à gestão das empresas instaladas nos distritos industriais de várias regiões do estado.

Betim é um dos 13 distritos industriais selecionados como prioritários para receber as ações do programa. No primeiro encontro na cidade, foi apresentada a metodologia do projeto, que prevê a participação dos empresários em todas as etapas. A diretora de Fomento à Indústria Criativa da Codemig, Fernanda Machado, destacou a importância dessa parceria: “O Estado está assumindo o papel de indutor do processo e fará um investimento importante. Mas é fundamental a atuação conjunta dos empresários, criando um ambiente de cooperação”, afirmou.

Participaram do encontro, na sexta-feira (15/7), representantes de empresas estratégicas do município, como a Fiat e a Petrobras, além de dirigentes do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças), que representa diversos negócios instalados no distrito.

O projeto prevê a criação de uma governança local para acompanhar o levantamento das demandas, o desenvolvimento do plano de ação e a execução dos investimentos.  “Estamos estimulando a fundação de uma entidade associativa em cada um dos distritos atendidos. Essa é uma oportunidade única para os empresários defenderem os seus interesses comuns e se fortalecerem para garantir a continuidade das ações”, explicou o superintendente de Desenvolvimento Industrial do Instituto Euvaldo Lodi, ligado à Fiemg, Adair Evangelista Marques.

Diagnóstico

A próxima etapa do projeto é de diagnóstico. Em agosto, os empresários de Betim responderão a um questionário on line e receberão a visita de consultores que irão avaliar tanto as necessidades de cada negócio como as demandas coletivas. Segundo o diretor do Instituto Qualidade Produtividade Minas, Caio Márcio Becker Soares, que fará os estudos, o objetivo é identificar a maturidade das empresas. “Os empresários receberão uma análise individual, para orientá-los nas dificuldades de gestão ou de mercado que porventura tenham”, pontuou.

As informações também irão nortear os serviços de capacitação a serem oferecidos na localidade pelos parceiros, como o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-MG). O plano de ação do distrito será elaborado com base em diversos aspectos estratégicos, como infraestrutura, recursos humanos, inovação tecnológica, imagem e mercado.

O Programa

Inédito e estratégico, o Programa de Revitalização e Modernização de Distritos Industriais foi lançado em maio de 2015 pelo Governo do Estado de Minas Gerais, por meio da Codemig, em parceria com a Fiemg e o Sebrae-MG, tornando o Estado cada vez mais atrativo e dotado de melhores condições de competitividade para a indústria.

Os outros 12 distritos selecionados para a revitalização nessa primeira etapa são: Belo Horizonte (Distrito do Jatobá), Divinópolis, Governador Valadares, Ipatinga, Ituiutaba, Juiz de Fora, Montes Claros, Pouso Alegre, Sete Lagoas, Uberaba, Uberlândia e Contagem. A seleção dessas localidades foi feita com base em um estudo socioeconômico dos 44 municípios nos quais os 53 distritos industriais da Codemig estão instalados. Foram considerados critérios de seleção como percentual do PIB industrial em relação ao PIB municipal, área, bioma, disponibilidade de água superficial e subterrânea, acesso logístico e existência de aterro regularizado.

Comente aqui e publique no Facebook

Comentário(s)

Anterior

Minas Gerais e Portugal na rota do turismo religioso

Próximo

Minas lidera em número de bens culturais reconhecidos pela Unesco